Confira calendário de saques em janeiro

[ad_1]

Com o recente aumento de casos de Covid-19 no país, muitos brasileiros ainda esperam uma nova prorrogação do auxílio emergencial em 2021. Embora diversos projetos tenham sido apresentados no Congresso com esta finalidade, o presidente Jair Bolsonaro confirmou que os pagamentos foram concluídos e não cogita uma nova extensão do benefício.

Mesmo sem novos depósitos, os saques em espécie do auxílio de R$ 600 e R$ 300 continuam sendo liberados em janeiro. As datas são referentes aos ciclos 5 e 6, quando foram pagas a 8ª e 9ª parcelas do benefício, que até então só poderia ser movimentado pela conta digital Caixa Tem. Neste mês, os inscritos poderão ter acesso ao dinheiro que foi depositado entre novembro e dezembro.

O auxílio emergencial foi criado em abril para apoiar trabalhadores e a população de baixa renda durante a pandemia. A princípio, eram previstas três parcelas de R$ 600, e em seguida o Governo Federal aprovou mais duas parcelas no mesmo valor. Em setembro, foi autorizado o pagamento de mais quatro parcelas adicionais, agora no valor de R$ 300.

Ao todo, foram 68 milhões de brasileiros contemplados com o pagamento de até nove parcelas do benefício. O último ciclo de pagamentos foi finalizado em 29 de dezembro, com o depósito da 6ª, 7ª, 8ª ou 9ª parcela de R$ 300 e de parcelas retroativas de R$ 600, dependendo do mês de aprovação do auxílio. Confira:

  • Pagamento da 9ª parcela de R$ 300 para o beneficiário que recebeu a 1ª parcela em abril;
  • Pagamento da 8ª parcela de R$ 300 para o beneficiário que recebeu a 1ª parcela em maio;
  • Pagamento da 7ª parcela de R$ 300 para o beneficiário que recebeu a 1ª parcela em junho;
  • Pagamento da 6ª parcela de R$ 300 para o beneficiário que recebeu a 1ª parcela em julho;
  • Pagamento da 6ª parcela de R$ 300 para o beneficiário que realizou contestação entre 14 e 23 de novembro;
  • Pagamento da 5ª parcela de R$ 600 para o beneficiário que se cadastrou nos Correios entre 08 de junho e 02 de julho;
  • Pagamento da 5ª parcela de R$ 600 para o beneficiário que contestou o pedido entre 03 de julho e 06 de agosto e foi considerado aprovado;
  • Pagamento da 4ª e 5ª parcelas de R$ 600 para o beneficiário que realizou contestação entre 20 de julho e 25 de agosto de 2020;
  • Pagamento da 3ª, 4ª e 5ª parcelas de R$ 600 para o beneficiário que teve o benefício reavaliado no mês de outubro;
  • Pagamento da 2ª, 3ª, 4ª e 5ª parcelas de R$ 600 para o beneficiário que teve o benefício reavaliado no mês de novembro;
  • Pagamento da 1ª parcela de R$ 600 para o beneficiário que teve o benefício reavaliado no mês de novembro.

Calendário de saques em janeiro de 2021

Os pagamentos do mês de janeiro são referentes aos ciclos 5 e 6, sendo que só agora os valores creditados serão liberados para saque e transferência. No caso do ciclo 5, os depósitos foram realizados entre 22 de novembro e 12 de dezembro, enquanto os pagamentos do ciclo 6 ocorreram entre 13 e 29 de dezembro.

Confira o calendário de saque das últimas parcelas do auxílio emergencial:

  • 19 de dezembro: nascidos em janeiro;
  • 19 de dezembro: nascidos em fevereiro;
  • 4 de janeiro de 2021: nascidos em março;
  • 6 de janeiro de 2021: nascidos em abril;
  • 11 de janeiro de 2021: nascidos em maio;
  • 13 de janeiro de 2021: nascidos em junho;
  • 15 de janeiro de 2021: nascidos em julho;
  • 18 de janeiro de 2021: nascidos em agosto;
  • 20 de janeiro de 2021: nascidos em setembro;
  • 22 de janeiro de 2021: nascidos em outubro;
  • 25 de janeiro de 2021: nascidos em novembro; e
  • 27 de janeiro de 2021: nascidos em dezembro.

Auxílio será prorrogado em 2021?

Tanto o presidente quanto o ministro da Economia, Paulo Guedes, rejeitam a prorrogação do auxílio emergencial, apesar da pressão de parlamentares e do apoio da população.

Segundo Bolsonaro, o país está preparado para uma eventual segunda onda da pandemia, mas espera que não seja necessário estender os pagamentos do benefício. “Auxílio é emergencial, o próprio nome diz: é emergencial, Não podemos ficar sinalizando em prorrogar e prorrogar e prorrogar”, disse.

Guedes reforça que, caso os números da doença voltem a avançar pelo país, a equipe econômica está preparada para tomar as medidas necessárias. O ministro também acredita que o fim do auxílio ajudará a controlar a inflação.

Leia também: Auxílio emergencial 2021: Conheça os projetos para prorrogar o benefício por 3 ou 6 meses



[ad_2]

Source link